Também conhecida como meio técnico-científico informacional, a era da informação é a nossa atual revolução industrial (a terceira) e devemos agradecer muito por isso.

Por que será que é tão difícil de imaginar viver sem internet, computadores, smartphones e todos esses eletroeletrônicos que tomaram um espaço essencial em nossas vidas se antes as pessoas viviam sem?

É exatamente por isso que a era digital é considerada uma revolução industrial. Ela mudou a maneira de se produzir e de transformar os lugares, as paisagens, os espaços geográficos e os territórios.

É exatamente por esse tipo de pergunta que ela representa um divisor de águas entre como era o mundo antes e como é o mundo atualmente. Essa divisão certamente ocorreu na primeira e na segunda revolução industrial.

Mas, o que é a era da informação?

Antes de te explicar melhor o que é a era da informação, é necessário entender o que são e como foram as revoluções industriais, isso te mostrará a real dimensão de cada um desses episódios, incluindo a terceira revolução industrial que é a Técnico-Científico Informacional.

A primeira revolução aconteceu na Inglaterra em meados do século XVIII e o século XIX e teve como causa um grande acúmulo de capital proveniente dos comércios internacionais que aconteceram em grande escala nos séculos XVI e XVII.

Com esse acúmulo, os investimentos começaram a ser feitos com o objetivo de mecanizar alguns setores. Objetivos que acabaram sendo concluídos com tremendo sucesso e trazendo grandes mudanças no dia a dia do trabalhador.

Falando de sociedade, ela passou a ser dividida basicamente em 2 classes: Os donos do meio de produção e os assalariados.

A segunda revolução industrial já tinha como base um bom acúmulo de capital e grandes avanços na era industrial.

Logo, o que restava era a utilização desses avanços para monopolizar o livre comércio e começar a colonização, fatores que serviram como base para o mundo contemporâneo e a terceira revolução industrial.

Lembrando que os estudos continuaram com a ideia de melhorar ainda mais as ferramentas, produtos e técnicas para conseguir um melhor desempenho por parte das industrias.

O constante avanço fez com que, em 1950, ocorresse o início do desenvolvimento da eletrônica, e então estava iniciada a terceira revolução industrial: A era da informação.

Essa revolução, que permanece até os dias atuais, tem como uma de suas características, o avanço da tecnologia, da informática, da ciência e da eletrônica.

As principais características da era digital

Mas essa é apenas uma das suas características. As outras são mais representativas e fazem total diferença no nosso dia a dia.

E, além disso, existem diversos movimentos e ideias que foram e são muito beneficiadas pela era digital: Um exemplo é a globalização.

Um mundo globalizado significa um mundo mais unido e mais próximo apesar da distância geográfica, ou seja, essa barreira geográfica que existia entre os países e continentes foi derrubada de uma maneira tão forte e representativa que hoje é possível conhecer outros lugares sem sair de casa.

Abaixo estão mais algumas características marcantes dessa área:

– Democratização do conhecimento

Se antes era necessário assinar uma revista específica ou entrar em um curso para aprender a tocar algum instrumento, hoje já não acontece mais.

Em determinado momento o jornal impresso foi criado, depois veio a rádio e posteriormente a televisão, mas nenhum foi tão contundente e transformador quanto a internet, um verdadeiro sinônimo de democratização.

Será que algum dia você conseguiria ter aulas de graça com professores formados sobre um determinado assunto?

Será que algum dia conseguiria descobrir como trocar o óleo de um carro sem participar de um curso de mecânica automotiva?

É disso que se trata. Hoje, por causa da era digital e da evolução, temos a internet, um meio de comunicação e de emissão e de recepção de conhecimento.

Não e não é de forma lenta, é uma forma rápida, as vezes instantânea.

Se não está entendendo um determinado assunto do seu curso, entra no YouTube e vê uma imensidão de vídeo-aulas para resolver o seu problema.

Se quer emagrecer, não há necessidade de entrar na academia, pois os próprios personais e profissionais da área te oferecem apoio tanto para os exercícios quanto para a nutrição e, grande parte das vezes, de forma gratuita.

Outro fato a ser considerado é a qualidade dessas informações. Claro que, em um mundo democrático, todos os tipos de pessoas podem colocar informações na rede, mas você tem a possibilidade de escolher apenas os melhores e até o Google caminha para isso, pois os primeiros resultados da busca normalmente são os mais relevantes.

– Troca de conhecimento com outras culturas

Um pouco antes eu dei um exemplo sobre a possibilidade de conhecer outros lugares que são geograficamente longes sem sair da sua casa.

Mas, não para por aí. Existem diversos aplicativos que te permitem não só aprender outros idiomas como também conversar com pessoas de outras nacionalidades.

Isso faz com que a globalização faça ainda mais efeito no seu dia a dia.

Além do mais, com essa troca de conhecimento é possível reduzir características de pessoas que têm a mente fechada como, por exemplo, a xenofobia, que é, basicamente, a antipatia por pessoas que residem fora do seu país.

Outra consequência que acaba se tornando bom para todos é que essa troca ajuda na evolução de ambas as culturas e do mundo como um todo.

Em um mundo tão grande, é normal que existam técnicas simples e softwares que são utilizados para tornar o dia a dia do trabalhador mais produtivo e que seja desconhecido aqui no Brasil.

Se até entre os estados acontece, imagina no âmbito de países e continentes?

Um exemplo é um aplicativo que compara os preços dos produtos dos mercados mais próximos da sua localização, permitindo que economize na hora das compras. Esse aplicativo está disponível apenas para o Rio de Janeiro e para São Paulo (próximos se formos comparar, por exemplo, Rio de Janeiro e Bahia).

A verdade é que os mesmos efeitos que a revolução científica informacional está causando entre os países, está causando aqui no Brasil, considerando que acredito e também já ouvi diversas pessoas falando que cada estado é um país tamanha é a diversidade de cultura.

E uma característica que nos permite conseguir trocar conhecimento com outras culturas é essa:

– Google tradutor e a possibilidade de buscar referências internacionais

Ah, o tio Google, ele realmente é um daqueles tios que faz tudo e conhece bem de todos os assuntos, entende?

Se pedir ajuda pra consertar um computador, uma bicicleta ou um carro, ele vai te ajudar, sabe?

Então, uma das ajudas que o Google dá e vem aperfeiçoando cada vez mais é esse serviço de tradução pelo Google tradutor e também pelo Google Chrome.

Se você estiver lendo um artigo em outro idioma como forma de treinar e melhorar o seu entendimento, pode utilizar o Google tradutor apenas para traduzir aquelas palavras que nunca tinha escutado antes.

Agora, se você não manja de nenhum idioma estrangeiro e quer apenas o conteúdo do artigo, basta utilizar a opção do Chrome que te permite traduzir a página para o português.

Essa opção é muito importante para quem está em busca de atualizações no seu nicho profissional e quer ficar por dentro de todas as novidades e técnicas daquela área.

E o melhor é que, na maior parte das vezes, as traduções saem corretas e, quando não saem, um pouco de contexto e interpretação de textos farão com que entenda o que o autor está querendo passar.

Nada é perfeito – O lado negativo da era da informação

Se essas características possuem o lado positivo, as mesmas características possuem o seu lado negativo, confere aí!

– Conhecimento de baixa qualidade e até irreal

O fato de qualquer pessoa poder criar um artigo e criar um vídeo sobre determinado assunto para colocar no YouTube pode fazer com que eles acabem dispersando falsas informações ou até informações desatualizadas (mesmo que essa não seja a intenção).

E, dependendo do nicho, essas falsas informações podem fazer uma tremenda diferença na vida e na saúde da pessoa, portanto, é bom tomar cuidado.

– Troca de ideais entre culturas

Grupos como Al-Qaeda e outros extremistas não precisam se manter apenas no seu território, pois agora eles podem dispersar o ódio pela internet e conseguir recrutar soldados para realizar tarefas em outros países por meio de bate-papos.

Isso aumenta a chance de atentados, novas técnicas de roubos e de sequestros.

Além disso, temos a abundância de informações pode fazer com que qualquer pessoa de má índole aprenda a hackear e comece a utilizar cartões bancários de outros clientes para o seu próprio benefício (apesar de não ser tão fácil assim).

– Google Tradutor “desestimula” o desenvolvimento pessoal e profissional

A verdade é que a evolução das máquinas foi muito mais rápida do que a evolução da nossa espécie, portanto, não estávamos preparados para alguns pontos como alimentação e mobilidade.

Porém, falando especificamente do Google tradutor, existe um pecado capital chamado preguiça. A preguiça vem junto com a comodidade e uma característica puxa a outra.

Logo, se você fica cômodo, pois sabe que o Google Tradutor poderá traduzir qualquer texto de qualquer língua, inevitavelmente deixará de correr atrás para aprender um novo idioma, algo que é considerado obrigatório no currículo de uma pessoa que quer receber um bom salário e ocupar um bom cargo.

Como a Revolução Científica Informacional vem mudando o comportamento do mercado e das empresas em relação ao planeta e as pessoas

Para finalizar, temos um tópico que precisa ser discutido e que se tornou ainda mais aparente nas últimas eleições dos Estados Unidos onde Trump acabou eleito.

A mídia utilizou de todas as redes para atacar o candidato e recebeu apoio da maior parte dos eleitores que se manifestavam. Porém, a quantidade de manifestantes era muito menor do que a quantidade de eleitores e os calados acabaram votando no Trump e resultou na vitória do Republicano.

No âmbito do mercado financeiro, temos a criação das criptomoedas (moedas digitais) que tem como principal objetivo eliminar os terceiros das transações (bancos, por exemplo).

Mas, a mudança mais relevante acontece na relação entre empresas e clientes. Antes, as empresas ficavam fazendo propagandas em massa e o único retorno que tinham era uma baixa ou uma alta quantidade de vendas, não havia diálogo.

Com as redes sociais é diferente. Os clientes têm uma voz muito maior e conseguem reclamar por meio de redes sociais, fazendo a diferença na imagem das empresas.

Os produtos também mudaram. Já não se compra sem pesquisar o melhor preço e os produtos com maior valor empregado, portanto, a qualidade tem que ser cada vez maior e o valor cada vez menor.

E isso também faz com que as empresas busquem novas formas de produção sem prejudicar ainda mais o nosso planeta. Aliás, essa é uma característica que é procurada pelo público. Se uma empresa faz mal ao ambiente ela não é vista com bons olhos.

Por conta disso, é importante reconhecer que a sociedade vive em um estado de conhecimento emergente e a educação está se movendo, aos poucos, para o centro do palco. Isso permitirá um desenvolvimento melhor da sociedade e do indivíduo, além de uma melhora em todos as áreas da nossa vida!

Tem alguma opinião sobre a era da informação? Deixa o seu comentário para debatermos!

Não se esquece de curtir e compartilhar nas redes sociais!

CONTEÚDO EXCLUSIVO

Cadastre seu email para receber o nosso conteúdo exclusivo.
.

Waldemar Ramos Junior

Advogado, palestrante, professor, atua nas seguintes áreas do direito: Previdenciário, Trabalhista, Cível e Família. Possui livros publicados e artigos divulgados em revistas especializadas.

Ver todos os posts